quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Estação

Uma pipa pendurada no alto da árvore. Ladeira acima. Uma estação, Cantagalo. Outra estação, o verão.
E a vontade de você.
Lá em cima, as centenas de casinhas iluminadas. O elevador onipotente. O mar. O infinito. O fôlego perdido. (mágica).
E a vontade de você.
Lá em cima, daqui da rede, a vida ao vivo. A efervescência silenciosa da noite na favela. Os meninos jogando bola, embaixo da moça que se troca com a porta aberta, sob a família que vê TV, em cuja lage os rapazes que consertam a antena (ou fazem um gato talvez). Todos abaixo do céu, embora bem perto dele.
E a vontade de você.
Champanhe, música, êxtase, debate. Calor. Uma brisa provocante. Um convite para um banho noturno. Agora ladeira abaixo.
A pipa ainda pendurada no alto da árvore. Silêncio. A lua, que "boia no céu imensa e amarela", incrivelmente amarela, incrivelmente baixa. (mágica).
O calçadão. O mar gelado. E o nosso encontro, enfim. Misturado de mar, misturado de areia. Na alta madrugada da quarta-feira carioca. Sob a benção de uma estação, o Cantagalo. E de outra estação, o verão.


4 comentários:

Raquel Medeiros disse...

Luli, impressionante a sua vocação de capturar o cotidiano. És uma cronista de primeira. Há realidade, há contrastes, há poesia. E você, esse seu olhar sereno e acolhedor de todas as realidades, de todas as fantasias. parabéns pelo texto. beijos!

Geraldo Brito (Dado) disse...

Saudações e parabéns pelo blog!

Brasil na Italia disse...

Vontade de verão, de Rio, do mar, dessa atmosfera que você descreve tão bem...
Até a próxima,
abs
Barbara

Izabella disse...

Luisa! Parabéns pelo blog! Gostaria que me passasse seu e-mail... Vou para Madri em março e se possivel gostaria de umas dicas! Meu e-mail é izabellafernandes@yahoo.com.br!
Obrigada
Izabella